sábado, dezembro 31, 2016

BLACK & WHITE IN COLOUR ESCOLHE OS 10 MELHORES FILMES DE 2016 (por Chico Marques)

1. A JUVENTUDE (Paolo Sorretino)
Depois de um filme repleto de superlativos como A Grande Beleza, ninguém imaginava que Paolo Sorrentino retornasse com um filme ainda mais contudente. E não é que ele fez justamente isso? A Juventude traz Michael Caine e Harvey Keitel como dois velhos amigos que enxergam a velhice por ângulos diferentes. Enquanto Caine faz um músico renomado que só quer curtir em paz seus últimos dias mergulhado no tédio -- a ponto de esnobar um convite da Rainha Elizabeth --, o segundo é cineasta e pretende realizar seu último filme, uma espécie de longa-testamento protagonizado pela atriz que lançou 50 anos atrás -- Jane Fonda, em uma aparição hipnotizante e inesquecível. Rachel Weisz, interpreta a atormentada filha do músico, e é seu personagem que ajuda a equilibrar essa história com doçura, conflito e afeto. O filme lança olhar irônico e ferino não só para a velhice ou a juventude, mas para a vida em si, incluindo aí a fogueira das vaidades do mundo do show business. É uma obra repleta de lirismo, com roteiro preciso e intenso, cercado de imagens deslumbrantes para onde quer que o espectador olhe, e com personagens desempenhados por atores próximos à perfeição. Paolo Sorrentino é, sem sombra de dúvida, o cineasta europeu mais talentoso de sua geração. E A Juventude é um filme fundamental para que as mulheres entendam melhor os homens. E também para que os homens se situem melhor no tempo e no espaço de suas existências.
2. ANOMALISA (Charlie Kaufman)
Assim como acontece em A JuventudeAnomalisa é um filme intensamente masculino. O atormentado Michael Stone (voz de David Thewis) é um palestrante motivacional que acaba de chegar à cidade de Connecticut. Ele segue do aeroporto direto para o hotel, onde entra em contato com um antigo caso para que possam se reencontrar. A iniciativa não dá certo, mas Michael logo se insinua para duas jovens que foram ao local justamente para ver a palestra que ele dará no dia seguinte. É quando ele conhece Lisa (voz de Jennifer Jason Leigh), por quem se apaixona. Trata-se uma história de amor irrealizado absolutamente melancólica que se desenvolve num tom agridoce rumo a um desfecho surreal. E de um filme de animação absolutamente único na história do cinema. Mesmo quem é fã de carteirinha do trabalho de Charlie Kaufman vai se surpreender com Anomalisa. Positivamente, com certeza. 
3. CAROL (Todd Haynes)
Chega a ser inusitado ver nos dias de hoje um filme como Carol, que mostra de forma delicada e paulatina, mas contundente, o romance entre duas mulheres de backgrounds sociais diferentes dentro das regras sociais dos Anos 50. A jovem Therese Belivet (Rooney Mara) tem um emprego entediante na seção de brinquedos de uma loja de departamentos. Um dia, ela conhece a elegante Carol Aird (Cate Blanchett), uma cliente que busca um presente de Natal para a sua filha. Carol, que está se divorciando de Harge (Kyle Chandler), também não está contente com a sua vida. As duas se aproximam cada vez mais e, quando Harge a impede de passar o Natal com a filha, Carol convida Therese a fazer uma viagem pelos Estados Unidos. O canadense Todd Haynes faz maravilhas com a história de Patricia Highsmith, e realiza mais um filme magnífico. E que elenco ele reuniu! Eque interpretações ele conseguiu desses atores! Um grande e belíssimo filme.

4. CAFÉ SOCIETY (Woody Allen)
Bobby (Jesse Eisenberg) abandona o trabalho de joalheiro com o pai no Brooklyn, NY, para sonhar com uma carreira em Hollywood, ao lado do tio materno, Phil (Steve Carrell), um agente de sucesso. Bobby é o próprio jovem ingênuo, cheio de sonhos, que o contato com a realidade vai esculpindo aos poucos e à sua revelia. Sua guia inicial nesse ambiente é Vonnie (Kristen Stewart), a secretária que o tio designa para aclimatá-lo na selva do cinema, ensinando-lhe os nomes das feras. Mas Bobby se apaixona por ela, sem imaginar que ela é amante do tio, casado há 25 anos. Tio e sobrinho vivem esse triângulo amoroso sem saber, até que surge um momento em que se exige uma decisão dela. Decisão feita, Bobby volta para Nova York, passa a trabalhar administrando os negócios do primo mafioso, e vira uma personalidade na cidade. Mas quando reecontra Vonnie, percebe que um buraco enorme ficou aberto em sua vida. Um filme admirável de Woody Allen: agridoce na medida certa, charmoso na medida certa, e absolutamente bem equilibrado. Tem um padrão de perfeição em Café Society. Veja e comprove.
5. AVE CÉSAR (Joel & Ethan Coen)
A história se passa no período de um dia, no auge do clima da paranoia anti-comunista dos anos 1950, quando a principal estrela dos estúdios Capitol Pictures, Baird Whitlock (George Clooney) – , é sequestrada bem no meio das filmagens da superprodução de época chamada... "Ave, César!". Caberá ao leão-de-chácara da companhia, Edward Mannix (Josh Brolin) trazer o artista são e salvo de volta ao set naquele mesmo dia. Uma premissa deliciosa que acaba rendendo mais um filme extremamente inusitado na carreira dos Irmãos Coen. Uma espécie de "madcap comedy" em tom menor, ou coisa que o valha. Não perca.
6. JULIETA (Pedro Almodóvar)
O longa acompanha uma mulher de meia idade prestes a recomeçar sua vida com um novo namorado em Portugal, até que encontra com uma antiga amiga de sua filha, que coloca a protagonista num espiral de lembrança. O espectador, logo após esse encontro casual, é transportado para esse turbilhão de emoções e memórias marcado por flashbacks, e Julieta é exatamente sobre essa presença do passado que faz seus personagens reféns do tempo e da vida. Essa obsessão é notada como os flashbacks vão se tornando cada vez mais constantes até dominarem completamente a linha narrativa do longa. O passado toma conta de Julieta e do longa também. e nos envolve em seu fluxo da memória e em sua loucura maternal. Um mergulho maduro e intenso no universo feminino, sem o humor habitual de Almodóvar, mas com uma grandeza de espírito contundente. Um ítem incomum na filmografia do grande diretor espanhol.
7. A GRANDE APOSTA (Adam McKay)
Michael Burry (Christian Bale) é o dono de uma empresa de médio porte, que decide investir muito dinheiro do fundo que coordena ao apostar que o sistema imobiliário nos Estados Unidos irá quebrar em breve. Tal decisão gera complicações junto aos investidores, já que nunca antes alguém havia apostado contra o sistema e levado vantagem. Ao saber destes investimentos, o corretor Jared Vennett (Ryan Gosling) percebe a oportunidade e passa a oferecê-la a seus clientes. Um deles é Mark Baum (Steve Carell), o dono de uma corretora que enfrenta problemas pessoais desde que seu irmão se suicidou. Paralelamente, dois iniciantes na Bolsa de Valores percebem que podem ganhar muito dinheiro ao apostar na crise imobiliária e, para tanto, pedem ajuda a um guru de Wall Street, Ben Rickert (Brad Pitt), que vive recluso. Com certeza, o melhor filme sobre a quebradeira da Wall St. realizado até agora. Quem não viu ainda, precisa ver.
8. SPOTLIGHT (Tom McCarthy)
Baseado em uma história real, o drama mostra um grupo de jornalistas do Boston Globe que reúne milhares de documentos capazes de provar diversos casos de abuso de crianças, causados por padres católicos. Durante anos, líderes religiosos ocultaram o caso transferindo os padres de região, ao invés de puni-los pelo caso. Não é exagero algum afirmar que este é o melhor filme sobre o meio jornalístico desde The Paper (1994), pequena obra-prima de Ron Howard com Michael Keaton.
9. MOGLI O MENINO LOBO (Jon Favreau)
Impressionante como Jon Favreau conseguiu acertar a mão nesta animação criada a partir do desenho clássico da Disney. A trama gira em torno do jovem Mogli (Neel Sethi), garoto de origem indiana que foi criado por lobos em plena selva, contando apenas com a companhia do urso Baloo (Bill Murray) e da pantera negra Bagheera (Ben Kingsley), sem nenhum contato com humanos. O menino é amado pelos animais, mas visto como uma ameaça pelo temido tigre Shere Khan (Idris Elba), que está decidido a matá-lo. Com a família de lobos ameaçada, Mogli decide se afastar. Baseado na obra de Rudyard Kipling. Um filme delicioso. Com certeza, o grande filme-pipoca familiar de 2016.
10. STAR TREK SEM FRONTEIRAS (Justin Lin)
O terceiro episódio com o elenco atual da série não deixa absolutamente nada a desejar em relação aos dois anteriores. Desta vez, Kirk (Chris Pine), Spock (Zachary Quinto) e a tripulação da Enterprise encontram-se no terceiro ano da missão de exploração do espaço prevista para durar cinco anos. Eles recebem um pedido de socorro que acaba os ligando ao maléfico vilão Krall (Idris Elba), um insurgente anti-Frota Estelar interessado em um objeto de posse do líder da nave. A Enterprise é atacada, e eles acabam em um planeta desconhecido, onde o grupo acaba sendo dividido em duplas. Com mais ação que os dois filmes anteriores e com passagens extremamente bem humoradas fazendo contraponto ao climão "space opera" original da série, Star Trek Sem Fronteiras é um acerto e tanto. Garantia de que este elenco ainda há de render mais dois ou três filmes para a série.






Postar um comentário